UMA NOITE QUE DEIXOU A DESEJAR

Autores dos gols: Alcacer (41’ do 1T), Nino (26’ do 2T)

Esta é uma daquelas noites em que você se belisca duas vezes por estar perdendo sem nunca nem ter realmente jogado. Um jogo surreal com poucas chances de avanço.

O JOGO

Com coragem, iniciamos nossa nona partida da fase eliminatória da liga europa apesar de estarmos enfraquecidos através de desfalques devido a lesões e suspensões. Hoje, tivemos que defender coletivamente contra os fortes espanhóis. De início, já íntimo com a bola, o Villarreal teve o domínio da posse de bola durante cinco minutos, para só depois podermos tocar nela.

Ambas as equipes iniciaram equilibradas. Algumas jogadas da nossa parte e a defesa dos laterais adversários Estupinan e Pena, criaram um leve suspense. 27 minutos se passaram até Rasmus Kristensen usar força excessiva na grande área resultando em um consequente pênalti, que foi cobrado por Paco Alcacer. O atacante literalmente entregou a bola nas mãos de Cican Stankovic, tornando a defesa muito fácil. Tivemos sorte!

A mesmo sorte, da qual os Submarinos usufruíram aos 38 minutos, após Enock Mwepu dar mole com a bola apesar do goleiro Rulli se encontrar no fim do mundo. O chute com efeito do nosso zambiano errou o alvo por pouco. Ao contrário do que aconteceu ao lado oposto do campo, após uma cobrança de falta, Paco Alcacer só teve que posicionar a cabeça corretamente, de uma distância curta, para finalizar (41’ do 1T). O final do primeiro tempo foi desapontante, embora a liderança do adversário não tenha sido totalmente imerecida.

Highlights, FC Salzburg, Villarreal

Como se tivessem algo a perder, os Submarinos voltaram do intervalo com pensamentos mais conservadores. Compreensível, já que tiveram sua última vitória há seis partidas atrás. Nós fizemos proveito da situação e focamos no ataque. Torres, deixou Patson Daka roubar a bola na sua própria grande área. Ao cair, ele cruzou a bola para o Mergim Berisha, que estava completamente livre, mas sua tentativa de finalização foi como um passe para trás.

Finalmente havia espaço para jogar, haviam possibilidades. Brenden Aaronson perdeu um cruzamento de Mergim Berisha por centímetros. Essa foi a chance do nosso americano. A Equipe de Emery ainda não aparentava estar muito confiante. Repetitivamente, surgiram oportunidades para Patson Daka e o substituto Noah Okafor. Porém, de repente e sem aviso prévio, o Villarreal ultrapassou nossa barreira. Eram nove contra quatro na grande área, e mesmo assim, Fer Nino foi capaz de facilmente cabecear a bola e finalizar no ângulo que estava desprotegido (26’ do 2T).

Mesmo depois do baque, não desistimos de jogar com foco no ataque. Karim Adeyemi causou suspense de pênalti, mas o árbitro não apitou. Patson Daka teve uma grande oportunidade na prorrogação, mas seu chute bateu na trave. Simplesmente não era pra ser.

Escalação

Substituições

saiu Aaronson e entrou Adeyemi (16’ do 2T), saiu Sucic e entrou Okafor (16’ do 2T), saiu Junuzovic e entrou Bernede (29’ do 2T)

Cartão amarelo

Kristensen (27’ do 1T/Falta), Solet (40’ do 1T/Falta), Okafor (44’ do 2T/Falta), Ulmer (50’ do 2T/Conduta antidesportiva)

Desfalques / Ausências

Bernardo (lesão), Ramalho (suspensão), Koita e Camara (suspensão por doping)